• Poder Soul

    19 abril 2021 – 23 abril 2021

    Segunda-feira

    The Sweet Inspirations

    Why (am I treated so bad)

    Atlantic

    Cissy Houston já havia passado pelo grupo familiar The Drinkard Singers e iníciado o seu percurso discográfico, quatro anos antes, quando, em 1967, se juntou a Sylvia Shemwell, Myrna Smith e Estelle Brown, em Nova Iorque, para formar as Sweet Inspirations.

    O quarteto vocal, para além de ter emprestado o seu talento a gravações de nomes como Van Morrison, Elvis Presley, Wilson Pickett, Aretha Franklin ou Nina Simone, viria a editar mais de uma dezena de álbuns e várias de singles, para marcas como a Atlantic ou a Stax, entre outras.

    Gravado em 67, para o seu Lp de estreia, homónino, e também prensado em sete-polegadas – “Why (am I treated so bad)” – será o maior dos seus clássicos.

    Uma enorme canção Gospel Soul, escrita por Mavis Staples, que retrata na perfeição o poderio vocal destas quatro mulheres, se transformou numa peça fundamental da história da música negra e é, absolutamente, obrigatória em qualquer coleção que a pretenda cobrir.

     

    ▶️ OUVIR

  • Poder Soul

    19 abril 2021 – 23 abril 2021

    Terça-feira

    Los Fabulosos Festivals

    El mensaje

    Onda Nueva

    Liderados pelo baterista Ronald George e compostos por Alfred Peters, Ricardo Yearwood, Raymond King, Melvin Wright, Carlos Danvers e pelos cantores Olivia Thousand, Edgar King e Kabir a.k.a. Ernie King, Los Fabulosos Festivals, foram uma das mais marcantes bandas, surgidas do movimento dos Combos Nacionales, que revolucionou, por completo, a música do Panama, na década de 60.

    Este grupo de culto, que gozou de uma extrema popularidade na, então, efeverescente cena musical local, gravou pouco mais do que uma dezena de sete-polegadas, entre a segunda metade dos anos 60 e a primeira dos 70, para selos de referência como Onda Nueva ou Taboga, entre os quais se encontram vários clássicos.

    Editado em 1972, pela Onda Nueva – “El mensaje” – é um dos seus maiores hinos.

    Uma tremenda versão do clássico dos Cymande, cantada por Edgar e Ernie King, que não deve nada ao original e que, sendo de uma raridade extrema, no seu formato original, foi incluída, em 2006, no primeiro volume da série “Panama!”, editada pela Soundway Records.

     

    ▶️ OUVIR

  • Poder Soul

    19 abril 2021 – 23 abril 2021

    Quarta-feira

    Black Fur

    Feel the shock

    Bar-Tone

    Em 1972, os irmãos Jarvis e Jeff Henry juntaram-se aos seus colegas de liceu Dewayne Johnson e David Wyatt e formaram uma banda, com o intuíto de tocarem os êxitos do momento no minúsculo circuito de clubes de Fresno, pequena cidade californiana, “entalada” entre Los Angeles e San Francisco.

    Depois de terem testado uma cantora, que tinha mais queda para a moda do que para a música e que usava golas de pele, a banda resolveu escolher a designação Black Fur, e foi com este nome e com a inclusão de John Sherman e de Vicky Foster, que começaram a fazer a bem remunerada rota das base militares, que acabou por lhes financiar a gravação do seu único disco, em 76.

    Com o objectivo de lançar um Lp, o sexteto, que nestas sessões foi reforçado por um trio de sopros, ainda registou mais quatro temas no Bar-Tone, pequeno estúdio da sua editora que, em 79, ardeu num incêndio, destruindo todo o seu trabalho e condenando os Black Fur à dissolução.

    “Feel the shock” é o lado B do seu único sete-polegadas e um verdadeiro Graal na cena Deep Funk.

    Um contagiante instrumental, contaminado pelo Disco e acompanhado por uns deliciosos festejos vocais, como pano de fundo, que gerou a loucura dos mais ambiciosos Djs e colecionadores, desde que foi introduzido nas pistas especializadas, a meio dos 90, por Keb Darge.

     

    ▶️ OUVIR

  • Poder Soul

    19 abril 2021 – 23 abril 2021

    Quinta-feira

    The Variations

    I know why you’re here

    Amour

    Os Variations foram um grupo vocal de Oakland, liderado pela cantora, compositora e produtora, nativa de San Francisco, Samaki Bennett, que esteve activo entre a segunda metade dos anos 70 e a primeira dos 80 e teve um papel de relevo na cena local e alguma projecção nacional e internacional.

    Entre 74 e 82, gravaram meia dúzia de sólidos Lps e dezena e meia de singles, todos para Amour, independente fundada por Lee Variety, um boxeur da Flórida, que se havia mudado para a Costa Oeste e casado com Samaki.

    “I know why you’re here” é um dos temas de “In Africa”, o seu quinto e mais colecionável Lp, registado no Kenya em 82, e é, para mim, o seu mais genial momento.

    Um autêntico monstro Disco Soul, que leva qualquer pista de dança ao delírio e que, sendo bastante valioso, em qualquer uma das suas edições originais, foi incluído no oitavo volume da série da Z Records – “Under the influence” – assinado pelo produtor e digger italiano Woody Bianchi.

     

    ▶️ OUVIR

  • Poder Soul

    19 abril 2021 – 23 abril 2021

    Sexta-feira

    Raj

    Something inside

    Oak Tree

    Para além de, através de uma morada impressa no rótulo deste disco, percebermos que Raj é, tal como os Variations, um projecto de Oakland, pouco ou nada se sabe sobre as suas origens ou percurso.

    De facto, este artísta ou banda apenas gravou um disco, em 1982, editado pela Oak Tree, uma independente, igualmente misteriosa, que não tem mais nenhum lançamento registado.

    Não existe qualquer outro rasto da sua existência.

    Ainda assim, ou por isso mesmo, “Something inside” transformou-se num absoluto clássico na cena especializada, desde que foi introduzido na pista de Stafford.

    Uma obra-prima Modern Soul, com uma produção e uns arranjos do outro mundo, com um destaque evidente para as suas extraordinárias melodias vocais, que arranca com uma  maravilhosa introdução narrada, vai crescendo à medida que se vai construindo e atinge o auge no seu último terço, e que, sendo rara e valiosa, no seu formato original, foi incluída, por Keb Darge, numa coleção de 99, patrocinada pela marca de roupa japonesa: Beans.

     

    ▶️ OUVIR