Portugal vivia os últimos dias do PREC quando a RTP decidiu organizar um debate entre os dois homens fortes do pós-25 de Abril: Álvaro Cunhal, secretário-geral do PCP, e Mário Soares, secretário-geral do PS.

Numa altura em que ainda não existiam audiências e audiometrias, o debate durou umas esclarecedoras três horas e meia, durante as quais os portugueses assistiram a um debate que teve tanto de jogo de xadrez como de combate de boxe. Até que Soares acusou Cunhal de querer instaurar em Portugal um ditadura de Esquerda e o líder comunista, sorrindo, respondeu, calma e enigmaticamente,’Olhe que não, doutor, olhe que não’. A frase ficou histórica e o debate marcou o arranque para o golpe de 25 de Novembro de 1975.

Não terá sido uma maldição para o PCP, eternamente arredado do Governo? Olhe que não, doutor Cunhal, olhe que não…