Em 1990, no auge do cavaquismo, um pouco conhecido secretário-de-Estado do Ambiente declarou guerra ao tabaco. Chamava-se Macário Correia e, apesar de garantir que tinha amigos fumadores, já quanto às amigas a conversa era diferente.

“Beijar uma rapariga que fuma é como lamber um cinzeiro”, garantiu com toda a autoridade… sem explicar se a sua familiaridade em lamber cinzeiros era de experiência feita, como diria o Camões. Macário Correia, também assumido adversário dos desodorizantes, nunca chegou a explicar se beijar uma rapariga que usasse desodorizante era como lamber um sabonete.