Emitido

2018/10/27

Episódio nº 71

 

Convidados

Paulo Jardim;

Martim Santos;

Paulo Santos.

 

Texto do Provedor

No Centro de Produção da Madeira o equipamento de televisão tem mais de vinte anos e encontra-se à beira da rutura. Este é o ponto crucial que determina a qualidade e a quantidade daquilo que ali se produz. Muitos recordam os tempos em que a informação regional marcava as manhãs e esperam que venha a ser possível retomar essa prática no lugar da atual oferta do Bom Dia Portugal. Mas tal não acontecerá antes de uma profunda modernização dos meios técnicos locais.

Como vimos, a RTP Madeira decidiu comemorar os 600 anos do achamento do arquipélago aumentando a produção própria e as encomendas a empresas locais. Contribuir para a existência de uma produção audiovisual independente faz parte da missão do Serviço Público de Televisão, pelo que a opção parece correta. A qualidade final dos documentários e dos micro-programas em realização virá confirmar, ou desdizer, o acerto de tal decisão.

Em termos do tratamento televisivo da realidade, da cultura e da história da região, assim como na cobertura da atualidade local, a RTP Madeira não tem concorrência. Daí a sua notoriedade e, nomeadamente, o indiscutível impacte do Telejornal Madeira em todo o arquipélago.  Mas estas são também razões que aumentam as responsabilidades da RTP Madeira no que diz respeito a dar a conhecer a diversidade de todas as “madeiras” que existem na Madeira. Só assim contribuirá realmente para a coesão e o futuro do território. Missão que, porém, tropeça todos os dias num equipamento que vem… do milénio passado.

Eu sou o seu Provedor. Nãos se esqueça, pode contar comigo.

Veja o programa completo aqui