Voz do Cidadão

Com o avanço das novas tecnologias, os concursos de cultura geral que a RTP oferece em horário nobre saltaram do ecrã para o sofá lá de casa, promovendo uma interação mais imediata com os telespetadores. Mas nem tudo são rosas nesse admirável mundo novo.

Com uma programação que atravessa várias décadas e gerações, a RTP Memória é hoje um canal que soube reinventar-se e que ganhou maior visibilidade com a difusão via TDT. Nascido há exatamente 14 anos que futuro terá a RTP Memória?

Desde o início deste século as imagens das pessoas saltaram das molduras de família para as redes sociais acessíveis, de modo instantâneo, a milhões de utilizadores em todo o mundo. Ainda existem restrições ao uso da imagem de pessoas pelos media?

Ao humor tudo se perdoa, ou, também aqui, há linhas vermelhas a não pisar? Quais são os limites do humor na RTP?

Mais um programa sobre questões da língua portuguesa. Erros ortográficos e de oralidade. Maltratar a língua portuguesa num media tão influente como a televisão é um poderoso modo de difundir o seu uso incorreto junto de toda a população.

A linha de apoio ao telespetador e ouvinte está mais acessível a todos. Mas a televisão pública deveria banir em definitivo o recurso às chamadas de valor acrescentado. E não se vê que para lá caminhe...

A intervenção e a influência do público nos media é muito mais extensa e durável do que a simples e rápida satisfação da opinião expressa. Os telespetadores da RTP fazem muitas sugestões para a informação e a programação.

A variedade de suportes de comunicação e de interação entre o público e a RTP é um espelho do que se passa em outros países europeus. Neste capítulo, o teletexto está em muito má forma.

O Voz do Cidadão foi ouvir cada um dos três administrados da RTP sobre os assuntos que mais interessam aos telespetadores e que cabem no âmbito das responsabilidades diretas da administração.

Nunca é demais sublinhar a importância do jornalismo de investigação enquanto fator fundamental do escrutínio público sobre realidades e processos de interesse geral. A sua importância é diretamente proporcional ao rigor infalível que dele se exige, ao escrúpulo deontológico que o deve reger.