Emitido

2020/11/28

Episódio nº 154

 

Convidados

Pedro Matos (telespectador);

Gualter Vera Cruz (telespectador);

Hélio Pereira (telespectador);

José Fragoso (Diretor de Programas RTP 1)

Queixas: 5

 

Texto do Provedor:

É verdade. A percentagem de perguntas mal formuladas, com opções ambíguas, ou com respostas mal validadas é ínfima. Porém, para o concorrente que sai prejudicado as consequências podem ser definitivas. E são sempre irreversíveis. É, por isso, absolutamente necessário melhorar a qualidade das perguntas e garantir a correta validação das respostas dadas pelos participantes.

Outras das críticas que por vezes recebo, e que não foi possível ilustrar neste Voz do Cidadão, diz respeito à dificuldade crescente das questões colocadas. Como se, argumentam os telespetadores, o objetivo destes concursos fosse impedir que alguém levasse para casa o maior prémio. Porém, faz parte das regras do jogo aceitar que quanto mais nele se avança mais difíceis deverão ser as questões colocadas.

De facto, não faria sentido manter o grau de dificuldade desde o princípio até ao fim. Quanto mais alto o valor em jogo, mais difícil deve ser a progressão. Mas o que desagrada aos telespetadores é ver um concorrente já com várias etapas ganhas, perder tudo numa questão à qual ninguém lá em casa saberia responder. Não podendo atribuir a culpa ao fraco saber do participante com quem simpatizam, viram-se contra o jogo e a sua pretensa excessiva seletividade.

Outro tema recorrente na correspondência dos telespetadores é a apreciação dos apresentadores. Sobre o mesmo episódio é frequente receber aplausos entusiasmados e críticas ferozes à prestação de quem conduz o concurso. Para parte do público aquele ou aquela que dá a cara por um formato é a razão principal para não deixar de ver um único episódio. Para outros é por causa dele ou dela que mudam sempre de canal antes do programa começar.

Apesar destas insatisfações e imperfeições, a presença de concursos de cultura geral em horário nobre do canal mais popular da RTP é uma boa aposta. Constitui uma alternativa real às telenovelas oferecidas pelos canais privados e cumpre a missão do serviço público: informar; educar; e entreter.

Eu sou o seu Provedor. Não se esqueça, pode contar comigo.

Veja o programa completo aqui