Bernardo nasceu do relacionamento amoroso entre Cecília e Francisco. Bernardo foi sobretudo criado pela mãe, nunca tendo uma figura masculina que lhe servisse de exemplo, mesmo apesar de Francisco, o verdadeiro pai, frequentar a casa frequentemente. Bernardo sempre teve uma boa qualidade de vida.

Cecília sempre foi independente e, graças à sua astúcia e golpes certeiros, foi capaz de dar uma boa vida ao filho. Francisco também esteve presente mas sempre em segundo plano, numa relação mais próxima de amigo ou tio do que propriamente de pai. É um miúdo educado ainda que agora entre numa fase rebelde. Bernardo só conhece a figura materna como centro da sua existência e na verdade nunca pareceu ressentir-se da ausência do pai até agora.

A sua natureza rebelde alastra-se e traz cada vez mais queixas da escola para casa. Opta por ocultar muitos dos problemas que tem, como forma de se afirmar independente da mãe. O percurso de Bernardo passa sobretudo pela sua entrada na adolescência e a rebeldia que se associa a isto, a qual é exponenciada quando descobre a identidade do pai. É um polo que pode significar rutura das rotinas até ali tomadas como garantidas.