Joalheiro e professor universitário de história de arte, nunca se recompôs do desaparecimento de Júlia, o seu grande amor.

Apesar de se ter casado com Emília, Álvaro viveu uma paixão arrebatadora com Júlia, e juntos tiveram uma filha. Quando finalmente se decidiu em se separar de Emília, Júlia desapareceu com a filha sem deixar rasto. Profundamente infeliz, Álvaro não volta a ser o mesmo homem de antes, ficando apagado e sem vontade de viver. Emília passou a tomar conta dos negócios e Álvaro permanece alheado a tudo e todos. Essa perspetiva também consome a relação que tem com Guilherme, uma relação ausente, mesmo contra a vontade do filho que se ressente dos seus comportamentos de indiferença.

Mas não significa que Álvaro não ame Guilherme. Só a chegada de Alice à vida de Álvaro conseguirá acordá-lo do estado catatónico em que se afundou há tantos anos. É simultaneamente um romântico e um perfeccionista. Tem espírito de artista, é desprendido das coisas materiais, obsessivo no amor e na sua arte. Tem um carácter disciplinado, mas está tão profundamente marcado pelo desgosto profundo de amor que viveu, que se tornou alheio, desinteressado, apático e aparentemente submisso à própria mulher que tanto despreza.