Licenciado em design mobiliário, apaixonou-se pela magia aos 13 anos, numa festa de aniversário da irmã, onde fez o seu primeiro truque e se sentiu um pequeno prodígio. Entrou para o secundário e, aos 16 anos, levava sempre a caixinha de magia consigo quando ia acampar. Recorda os truques à volta da fogueira como algo muito místico que o fez despertar ainda mais para esta área.
A partir dai foi uma bola de neve. Chateava as pessoas que já faziam magia para lhe ensinarem alguns truques e começou a colecionar o maior número de truques que conseguia. As pessoas incentivavam-no a ir ainda mais longe e ele assim fez. Sempre como autodidata. Ainda hoje aprende grande parte dos truques em livros, congressos e muita investigação.
Costuma atuar de norte a sul do país e nas ilhas, em eventos privados, teatros e casamentos.
Já participou em alguns programas de televisão e, nesta audição, vai tentar desconstruir o típico ilusionista.
Quer participar para ganhar. Vai aproveitar a oportunidade para recuperar aquilo que perdeu com a pandemia e ganhar uma bolsa de oxigénio.