Rúben jogava futebol, mas aos 8 anos foi-lhe diagnosticado um problema no coração, Miocardiopatia não compactada. O pai tinha esta doença e é hereditária. Os médicos disseram que por causa deste problema de saúde não podia continuar no futebol.

Como os pais queriam que ele fizesse uma atividade e como a mãe já tinha dado aulas de dança, Rúben foi incentivado pela mãe e desde aí ganhou um amor incondicional pela dança.

Passados dois anos, começou a competir a nível nacional e internacional e a ganhar alguns prémios. Bicampeão mundial de dança. Ganhou o prémio de melhor bailarino no All Dance International, All Dance World.

Diz que dança todos os dias como se fosse o último dia, a última dança, porque pode ser.

Tem medo de que os médicos algum dia lhe digam que não pode continuar a dançar, porque está a piorar. Mas enquanto dançar, vai aproveitar ao máximo.

Quer mostrar que a dança devia ser mais valorizada em Portugal, como o futebol é.

Atualmente está na Oeiras Dance Academy a ter aulas de dança de vários estilos. Começou há pouco tempo a dar aulas.