Gosta de desafios e gosta de se desafiar. Persistente, dedicado e focado e luta pelo que quer. Mente aberta, gosta de sair da zona de conforto.
Sonhador, Nuno Freak sonhava ser jogador de futebol, aos 8 anos entrou para o futebol, e jogou durante 9 anos. Desde muito novo sempre teve contacto com a dança, através dos irmãos mais velhos, que dançavam dança contemporânea.
O futebol começou a fazer-lhe mal psicologicamente, devido à pressão e aos 17 anos inscreveu-se num grupo de dança de hip pop na Margem Sul.
Freak sempre gostou muito da cultura hip pop e quando experimentou pela primeira vez apaixonou-se logo, pela dança, cultura e história deste género.
Fez um ano de Varsity em competições e atuações com grupos convidados e atuou no Festival Sol da Caparica.
Viajou pelo país e ainda foi à Holanda e a Itália, fazer batalhas de free Styles – um para um.
Desistiu do grupo passado 3 anos, e recebeu um convite da academia de dança do Algarve, para fazer parte do grupo de competição de adultos e a dar aulas de hip pop. Não pensou duas vezes, fez as malas e arrancou para uma nova aventura.
Dá aulas de segunda a sábado. E teve de aprender a planear o dia para ensaiar. Dedica a manhã para se dedicar a ele e ao free style.
O ponto mais alto da carreira, foi quando viu a sua primeira equipa de competição, coreografada por ele, no hip pop internacional. Passaram à fase seguinte, mas devido ao covid, foi cancelado o campeonato.
A sua maior inspiração é o irmão, João Pereira, porque sempre foi um grande orgulho vê-lo dançar e sempre o inspirou muito e fez escolhas que para ele foram importantes, como o respeito pela liberdade dos outros.