Grupo de 18 elementos. Nascidos num bairro social do Porto, os Gimnocerco, desde os 8 anos que têm o gosto pelas artes acrobáticas. Consideram-se uma família e o sonho deles é que o trabalho deles seja reconhecido no mundo das artes e espetáculo. São atletas mas querem ser artistas de espetáculo e fazer disto, carreira. Regressam ao GTP depois de terem sido um NÃO nas audições em 2015.

Tudo começou quando eram alunos do clube de ginástica, numa escola num bairro social. Começa-ram todos com 8 anos e desde então tornaram-se amigos. Os pais deles sempre tiveram uma forte ligação com a escola e o clube. Consideram que o facto de terem ido para a ginástica ainda em miúdos os desviou de outros caminhos menos bons. Já ganharam 8 títulos de campeões nacionais de ginástica de grupo. Sempre foram atletas, mas no último ano, começaram numa fase mais artís-tica em que o Tiago recuperou o grupo.

Vieram ao Got Talent Portugal enquanto grupo Gimnocerco em 2015, e não passaram nas audições. Em 2016, o Tiago veio a solo e chegou às galas.

São uma família de amigos. O mais atrevido é o Tiago, que se considera um líder. A mais tímida é a Nádia, a mais nervosa é a Cláudia e o mais divertido é o Marco Bastos.

Querem conquistar os jurados pelo risco e com a coreografia. É uma coreografia arriscada, pois podem cair e magoar-se. A coreografia tem uma mensagem com uma dualidade, com fatos sofisti-cados. A mensagem quer transmitir a verdade e o caminho que fazem com força e emoção, mos-trando as duas caras que as pessoas podem ter.

Já atuaram em publico em vários locais e campeonatos, mas para eles o mais importante foi em televisão, no Got Talent Portugal, e querem repetir a experiência e ir mais longe e vencer.

Antes de atuar fazem sempre o seu grito de guerra e ritual: “É GI, É GI, É GI MNOCERCO” e como ritual, um cordão humano.