Constituído por 9 elementos com idades entre os 15 e 29 anos e, apesar das diferenças fora do palco, funcionam como um só, unidos pelo amor à dança e às várias vertentes do hip hop (gue, popping, hacking, entre outros).

Treinados por António Silva (que já participou no GTP, em 2015, com o grupo Misfits), é formado por jovens de Gaia, Rio Tinto, Porto e Esmoriz, que tanto se estão a formar em Direito (como é o caso da porta voz Beatriz) e em Turismo (como é o caso de Joana), frequentam o 3º ciclo de escolaridade (como Bia e Inês), e por profissionais da área (como Débora e Jamaica que têm uma academia em Esmoriz e também já participaram no GTP, em 2015, com o duo Dis Crew).

Os Badass Click surgem em 2016 por vontade de duas jovens que dançavam noutra academia e queriam ir mais longe. Na altura, falaram com António que, por sua vez, falou com outras meninas e o resultado foi uma formação inicial de 8 raparigas que queriam algo mais competitivo.

Ao longo dos anos, o grupo sofreu várias alterações e hoje já só conta com dois elementos dessa formação inicial Beatriz e Joana.

Aproveitaram o facto de estarem mais parados a nível de competições para se focarem a 100% no GTP, onde querem transmitir uma mensagem de força e de como devemos fazer mais por nós e pelos nossos sonhos.

Antes da pandemia, ficaram apurados para a competição mundial do World Dance, que seria em Orlando, e que aguarda reagendamento. Já participaram também no Hip Hop International. Beatriz diz que o que os move é o refúgio que a dança representa para todos: “Quando dançamos, parece que a vida cá fora fica em pausa. É o nosso refúgio das coisas menos boas”. No seu caso particular, começou a dançar ballet com 5/ 6 anos, saindo aos 9 para, mais tarde, aos 13, se dedicar ao hip hop. Desde então, nunca mais parou.