Na primeira semana, os costureiros amadores tiveram pela frente um desafio de molde, onde foram desafiados a executar um vestido reto em apenas quatro horas.

Alguns concorrentes comprometeram a peça por escolher o tecido errado. Leonor, a PSP, e Sara cometeram o mesmo erro: apaixonaram-se por um padrão cuja tela não funcionou bem para o molde. Deolinda, a avó do grupo, e Jana escolheram o mesmo tecido e pareceram estar à vontade com o desafio, tal como Zé Luís, o comerciante do Pinhão, que, apesar de ter o seu Santo António com a cabeça partida, manteve a fé no seu vestido. Marcos, que quer seguir os passos do jurado Paulo Battista, teve contratempos que quase foram fatais para a conclusão da peça.

A uma hora de terminar a prova, Sónia Araújo deu um importante recado aos costureiros: os jurados, além do vestido, queriam também uma clutch, ou seja, uma bolsa de senhora, para combinar com o vestido. Instalou-se o pânico no atelier e apenas Jana, Carla, Zé Luís e Rita apresentaram o vestido e a clutch. Ainda assim, a criativa Rita, apesar de apresentar tudo, teve algumas falhas técnicas no seu vestido e levou um pequeno puxão de orelhas dos jurados.

No segundo desafio, de cariz mais criativo, os candidatos ao título de melhor costureiro amador de Portugal tiveram de transformar uma sweat shirt numa outra peça de roupa, à sua escolha, mas segundo uma inspiração muito especial. Esta prova deixou mais descansadas costureiras como a Rita – a criativa – e Maria da Fé, a bancária transmontana que adora transformações. Em apuros ficaram Raúl, o doll stlylist de Santarém, e Hugo, o operador de Call center, recém-regressado de Londres. Ambos tiveram más prestações na primeira prova e precisavam muito de brilhar neste desafio.

No arranque da prova, todos descobriram na sua caixa de costura uma fotografia de alguém muito especial que iria inspirar as suas criações. Sílvia, a brasileira que persegue o sonho da costura agora no Porto, emocionou-se muito ao encontrar a fotografia da mãe, a sua inspiração, que não vê há vários anos.

Quanto às más notícias: neste último desafio, Raúl deu a volta à sua imagem e transformou a sweat num casaco de inspiração na criadora Coco Chanel. Já Hugo voltou a falhar e terminou assim a sua
participação na competição.