Destaques

2021 abre com CLAV de ouro

Da mesma maneira que o público procura a cultura, nas CLAV Live Sessions a arte busca a sua plateia. As CLAV Live Sessions estão de regresso para a primeira temporada de 2021, que decorre entre janeiro e junho.

A novidade para esta temporada passa pelo aumento da sua agenda, passando de uma para duas sessões mensais, e a sua descentralização entre dois territórios. As sessões são agora realizadas entre Guimarães (no Centro e Laboratório Artístico de Vermil) e Vila Nova de Famalicão (nos vários polos da Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco).

Esta primeira temporada irá trazer algumas alterações à forma como as CLAV Live Sessions estavam estruturadas e mesmo à sua dinâmica de trabalho. A primeira alteração é que agora terão dois palcos físicos: a conhecida sala do CLAV e um novo palco, que será nos pólos da Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco. Também será alterada a forma de visualização online: as sessões passarão a ser transmitidas em direto via Facebook, nas páginas do CLAV — Centro e Laboratório Artístico de Vermil e da Comunidade Cultura e Arte, e só ficarão disponíveis durante dois dias. Quem quiser rever a sessão terá ainda oportunidade de o fazer em formato televisivo, no canal de TV por cabo Alma Lusa, na posição 139 do MEO. Depois dessa retransmissão, as mesmas serão disponibilizadas numa plataforma de streaming criada pela CAISA, onde estarão todas as CLAV Live Sessions, e o seu acesso será através de uma subscrição dessa plataforma.

Nesta primeira temporada, estão programadas doze CLAV Live Sessions, que estão divididas por seis sessões no CLAV (Guimarães) e seis sessões descentralizadas pelos pólos da Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco (Vila Nova de Famalicão).

A direção artística do CLAV quer trazer também ao público projetos de cantautor e ao mesmo tempo incentivar quem vê e ouve as CLAV Live Sessions à pratica da leitura. Por isso mesmo, as mesmas terão como cenário os livros, e “Traz um livro também” será o mote para esta nova temporada. Para ter acesso ao concerto no espaço do CLAV — Centro e Laboratório Artístico de Vermil, o público terá de doar um livro para a criação de uma biblioteca neste espaço. Para aceder aos concertos descentralizados pelos vários pólos da Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco, terá que requisitar um livro para leitura em casa. Desta forma, a organização das CLAV Live Sessions pretende incentivar a prática da leitura.

O público regressa às sessões com um máximo de dez espectadores (por sessão), que terão a oportunidade de ouvir os artistas como se estivessem numa sessão de gravação num estúdio de música. Concertos muito intimistas, em que a relação do público presencial se funde com a alma do próprio artista. As mesmas serão realizadas no formato misto (online e com público), cumprindo as normas da Direção-Geral da Saúde.

 

8 janeiro | 21h30 | DON PIE PIE
V. N. Famalicão | Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco — Pólo de Joane

22 janeiro | 21h30 | VALTER LOBO
Guimarães | Centro e Laboratório Artístico de Vermil

5 fevereiro | 21h30 | LUCA ARGEL
Guimarães | Centro e Laboratório Artístico de Vermil

19 fevereiro | 21h30 | MISTER ROLAND
V. N. Famalicão | Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco — Pólo de Riba de Ave

 

As CLAV Live Sessions são pioneiras em Portugal por serem o primeiro projeto de programação nacional no país a utilizar o formato misto para as suas sessões com público/transmissão online através das redes sociais e plataformas de comunicação desde janeiro de 2018. Desta forma, os concertos são transmitidos diretamente para o telemóvel, computador, etc., de cada um, em streaming, alargando assim a um público de grandes dimensões onde limites não existem. É ainda um projeto descentralizado e muito longe dos grandes centros numa tentativa de fazer algumas correcções de assimetrias, sejam elas culturais, sociais ou económicas. Note-se que, no período de confinamento, as CLAV Live Sessions foram o único projeto de programação regular no país que não encerrou, sendo que a única alteração foi a não-existência de público no espaço físico.