“As coisas podem sempre piorar.”

 

Formado em filosofia na faculdade de letras, sempre pensou que acabaria ligado ao sector intelectual. Uma intensa passagem pelo ativismo político, enquanto membro de movimentos estudantis de esquerda, ensinou-lhe a dimensão da sua incapacidade social.

A Polícia Judiciária surgiu por acaso na sua vida — uma hipótese de trabalho num leque limitado de ofertas profissionais. Na investigação policial, Humberto encontrou a reconciliação com o universo ficcional da sua juventude. Caminha para cada novo caso com Bogart, Cagney e Edward G. Robinson a seu lado.

Mas a realidade não quer saber da personagem Humberto. A ex-mulher critica-o pelos períodos longos de ausência, pelo álcool, pelas distrações em relação à filha de ambos. Uma série de homicídios em Lisboa abre uma janela inesperada para a reabilitação pessoal.