Pedro Abrunhosa

Editou com os Bandemónio o álbum a que chamou “Viagens”, em 1994. Um disco de rock cheio de jazz e de vida, que atingiu a tripla Platina, com mais de 140 mil exemplares vendidos.

Em 1995 lança o maxi-single “F” e em 1996 o álbum “Tempo”, que vendeu 80 mil exemplares numa semana, atingindo a quádrupla Platina, com vendas a ultrapassar 180 mil unidades.

Em 1999 é lançado “Silêncio” e em 2002 “Momento”, respectivamente Platina e dupla Platina. O álbum triplo “Palco”, editado em 2003 e contendo gravações de concertos ao vivo, vende mais de 70 mil unidades. Segue-se o DVD “Intimidade” em 2005, gravado ao vivo na inauguração da Casa da Música, no Porto, outro êxito assinalável, apesar da crise e, em 2007, o álbum “Luz”.

2010 é ano de viragem. Reúne os Comité Caviar, alia-se ao produtor João Bessa, e lança o álbum “Longe”, que atinge o galardão de dupla Platina.
Canções como “Fazer o Que Ainda Não Foi Feito, “Não Desistas de Mim”, “Pode o Céu Ser Tão Longe”, juntam-se a tantos outros hinos, lendas, adágios, a que Pedro Abrunhosa nos habituou desde sempre.

Durante todo este tempo, percorre o país de Norte a Sul, esgotando todas as salas de espectáculo onde actua e deixando um rasto de mais de 100 concertos, todos eles únicos, todos eles inesquecíveis, passando ainda pelo Brasil, Angola, Espanha e França.

Em Dezembro de 2013 é editado o 7.º disco de estúdio de Pedro Abrunhosa, “Contramão”. Onze novas canções, incluindo os singles “Toma Conta de Mim” e “Voámos em Contramão”.
As palavras são de Pedro Abrunhosa que contou, mais uma vez com João Bessa na produção e com os músicos do Comité Caviar, que o acompanham desde o último disco de estúdio.

30 de novembro de 2018, data escolhida por Pedro Abrunhosa para editar “Espiritual”, o 8.º álbum de originais, que produziu em parceria com João Bessa e conta com participações de luxo, como a francesa Carla Bruni, a consagrada Ana Moura e a revelação do jazz Elisa Rodrigues, a mexicana Lila Downs, a norte-americana Lucinda Williams e o brasileiro Ney Matogrosso, assim como o percussionista inglês Karl Van Den Bosche e o guitarrista norte-americano Greg Leisz que tanto talento emprestam a este disco. “Espiritual” revela um Pedro Abrunhosa que faz frente à fugacidade virtual que tantos aprisiona, que se comove e demora a pensar as dinâmicas sociais do mundo, em última análise, um artista que continua a ter algo para dizer.

Pedro Abrunhosa e os Comité Caviar vão celebrar os 25 anos do disco “Viagens” com um concerto muito especial no Festival RTP Andamento. Dia 15 de setembro, às 21h, na Alameda. Entrada livre.