Emitido

2019/06/22

Episódio nº 103

 

Convidados

Mário Silva (telespectador);

Fernando Fernandes (telespectador);

Francisco Rodrigues (telespectador);

Jorge Humberto (Operador de câmara helicóptero);

José Fragoso;

Hugo Gilberto;

 

Texto do Provedor

A Volta a Portugal em Bicicleta ganha, aos olhos críticos dos telespetadores, novas exigências. É um grande espetáculo televisivo e, por isso mesmo, tem responsabilidades ambientais acrescidas. A passagem da caravana não pode deixar atrás de si um rasto de plásticos e outros dejetos poluentes. Pelo contrário, tem de contribuir para a educação ambiental dos atletas e das populações.

Mas aquilo de que a maioria dos telespetadores tem realmente pena é que a Volta portuguesa não se pareça com o Tour de France. Todos nós gostaríamos de ver o pelotão e os fugitivos filmados em Portugal com a mesma prodigiosa panóplia de meios empregues além Pireneus. Como ouvimos os responsáveis da RTP dizer, a aposta da televisão pública é muito significativa em termos de meios. Mas não chega aos calcanhares do investimento feito para cobrir o Tour de France que é um dos acontecimentos desportivos mais vistos do planeta.

Este verão, haverá muito ciclismo na RTP. As transmissões começaram já na RTP2 e vão continuar na RTP1 e na RTP3. É pena que o ciclismo esteja distribuído por tantos canais, o que, mais uma vez, não favorece a identidade de cada um deles. Veremos se o entretenimento associado à Volta será mais interessante e mais cuidado do que tem sido nos últimos anos. Já que o telespetador não pode esperar uma cobertura ao nível daquilo que realizam os franceses, ao menos que possa deliciar-se com entretenimento de qualidade enquanto os ciclistas rolam.

Eu sou o seu provedor. Não se esqueça, pode contar comigo.

Veja o programa completo aqui