Emitido

2018/02/03

Episódio nº 41

 

Convidados

Tiago Rodrigues (TDMII);

Ana Pereirinha (editora livreira);

António Guerreiro (FBAUL);

Samuel Rego (Festival ao Largo);

Luís Urbano (produtor de cinema);

Sandra Primitivo (Mateus & Associados);

Teresa Paixão.

 

Texto do Provedor

Os mais críticos são definitivos: a televisão tem um impacto nefasto sobre a cultura e a educação. Muitos artistas, produtores e programadores culturais não andam longe desta avaliação lapidar, embora prefiram centrar a sua crítica na pouca atenção concedida às artes e à criação artística pelos canais televisivos.

Em contra desta corrente, a Lei mantém altas expectativas quanto à missão cultural da televisão. Refere mesmo, por exemplo, que a RTP2 “deve assegurar uma programação de (…) forte componente cultural e formativa…”

Entre estas duas visões cabe sublinhar que “a televisão faz sempre cultura” e que o que está em causa é avaliar que cultura é essa e que relacionamento mantém com a cultura e os fazedores dela. Neste sentido, organizar uma grelha de um qualquer canal; escolher, encomendar e comprar programas; decidir o alinhamento e as opções de programação são sempre atos de cultura com importantes consequências.

Mas no Voz do Cidadão de hoje ficamos um degrau abaixo deste debate e propomo-nos apenas olhar, seguindo a sugestão do legislador, para a oferta de índole cultural da RTP2. Um canal que mistura esta programação específica com uma enorme atenção ao público infantil. E aí reside, para alguns, um dos problemas do canal “culto e adulto”…

Veja o programa completo aqui