Voz do Cidadão

Nada, absolutamente nada, justifica a desmesurada atenção que a televisão pública confere ao futebol. Não é possível continuar assim. Não é desejável nem aceitável. Há que ter coragem para reduzir drasticamente o tempo gasto com o futebol.

Um ano com muitas mensagens sobre touradas e futebol. Também muitas com queixas e críticas contra a informação e os jornalistas. Os resultados da ação do Provedor são realmente visíveis e palpáveis?

A aposta na produção de séries tem sido uma constante destes últimos três anos. A maioria das mensagens que o Provedor recebe são de felicitações e encorajamento a que se continue pro este caminho. Não há dúvidas, é preciso continuar a percorrê-lo.

Os erros no uso da língua portuguesa são múltiplos e demasiado frequentes nos vários canais da RTP. Há atenuantes que explicam a razão de tantos erros, mas explicar e entender não desculpa, nem torna aceitável o inaceitável. Há proposta concretas para melhorar neste capítulo.

A capacidade da humanidade para estragar o ambiente não para de crescer. Muitos dos efeitos são já definitivamente irreversíveis. O Serviço Público de Televisão não pode comportar-se como se nada estivesse a acontecer.

Os apresentadores de programas televisivos, de qualquer programa, são objeto de muitas críticas. Mas, no fundo, toda a gente quereria ser como eles. Fomos ver como é a vida de apresentadores e apresentadoras e como reagem às críticas que recebem.

A imagem que a RTP fornece aos seus telespetadores nem sempre é a melhor porque não utiliza as mais recentes tecnologias para gravar e emitir em televisão. O digital do futuro já está, porém, a caminho da RTP.

Os diretores dos canais da RTP revelam em antecipação as suas apostas de programação para o ano de 2019. Muitas novidades no ecrã.

Alguns dos serviços criados pela RTP para tornar a experiência de contacto com o Serviço Público de Televisão mais fácil e mais interessante para todos os cidadãos, nomeadamente os portadores de alguma deficiência, não funcionam como deviam.

Os elogios são raros na correspondência que recebo. Mas nem por isso são menos importantes do que as críticas. Pelo contrário, por vezes um elogio move montanhas enquanto uma crítica paralisa a mudança.

O Serviço Público tem obrigações fixadas na Lei e no contrato, mas o que todos esperamos dele não é apenas que cumpra uma série de deveres impostos pela Lei. Esperamos que dê um contributo único e inquestionável no campo da divulgação do conhecimento e da cultura, das artes e da língua, dos direitos individuais e sociais, da coesão nacional e da qualidade informativa.

A violência doméstica está presente num em cada três lares portugueses e em 80 por cento dos casos é dirigida contra as mulheres. Que pode a RTP fazer para apoiar o combate a esta realidade tão negra quanto oculta?