50 anos. Veterano produtor de algumas novelas histórias no nosso pais, José sente que os seus melhores dias já fazem parte do passado. Divorciado e afastado da família, inclusive de Luís, o filho com quem quase não fala, fascinado pela cultura brasileira e pelas histórias clássicas que o encantavam. Professor de alunos mais interessados em vídeos de 3 minutos no youtube do que na criação de novelas de 200 episódios, vai arrastando-se pelos dias aos quais sobrevive com a ajuda de álcool e um ou outro ataque de raiva e cinismo.

Quando descobre que há concurso para a produção de um grande projecto luso-brasileiro – e que tem na “gaveta” um projecto que desenvolveu com o filho sobre a mudança da corte portuguesa para o Rio de Janeiro em 1808 – acredita que se trata da sua última hipótese, da grande oportunidade para se transformar no homem que sempre sonhou ser e de se redimir aos olhos do filho. Mesmo se isso implique confrontar-se com todos os defeitos, limitações e erros do passado. E são muitos. Imensos. Mais dos que consegue contar.