Álvaro, em fúria, chega ao gabinete de Emília, confronta-a com as provas que recolheu sobre a falsa identidade de Júlia e acusa-a de lhe ter mentido, de o ter enganado, ao convencê-lo que a mulher que estava internada na clínica era a sua amante. Emília diz-lhe que também ela foi enganada porque não sabia de nada mas Álvaro continua a acusá-la de só estar interessada no dinheiro e nos negócios para evitar o divórcio. Álvaro sai do escritório disposto a confrontar o director da clínica com o caso, enquanto Emília tenta falar com ele pelo telefone.