Bombarda convence o tribunal de que o cliente é inimputável e que não pode ser condenado pelos crimes de que o acusam.

“Sinto-me como o 007, com licença para matar!”