Tio paterno de Pedro, que o acolheu com um ano quando os pais deste morreram, tendo-o criado como um filho.

Jacinto é um exímio artesão da cortiça, com renome na região. Transmitiu os seus conhecimentos e paixão a Pedro, com quem dividia a oficina. É um homem respeitado em Montemor pelo seu carisma e conhecimento. Muito cedo perdeu a esposa, tendo encontrado em Pedro uma nova razão para viver – Sofreu muito com a súbita partida do sobrinho para parte incerta e vive na esperança do seu regresso.

Com a idade e a solidão, chegam os problemas de saúde, o que o tornam mais uma presa de Manuela e as suas mezinhas.