Salvador ordena a Luiz Vaz de Camões que se junte a Amélia e ao Afonso nesta missão.

Ao chegarem a 1887, os patrulheiros são surpreendidos por Antão Teles de Meneses, o funcionário do Ministério do Tempo que os ajudou na missão de salvamento de Camões. Camões reconhece Antão e agradece-lhe a “pena de morte” a que foi condenado.