Bartolomeu de Gusmão apresenta um balão como um instrumento para se andar pelo ar, para espanto de todos e entusiasmo de D. João V.

O confessor da rainha, António Stieff, manifesta-se contra, dizendo que é demoníaca. E não se importaria de ver o inventor a arder na fogueira da Inquisição.

Assim que assume a regência do trono, Maria Ana faz-lhe a vontade.