D. João V é implacável e Isabel da Moita, a bruxa, morre na fogueira, não antes de lhe rogar uma praga.

Todos assistem em silêncio, nauseados com o cheiro a carne humana.