Sinopses

Próximos episódios

Episódio 13

  • A emitir em 2017-09-27
  • na RTP1
José é entregue a uma ama. Maria Ana diz ao seu confessor, António Stieff, que nunca devolverá a criança ao rei e que esta deverá morrer. Stieff fica aflito e ele mesmo vai buscar a criança. Deixa-o num convento. O assassino a mando de Maria Ana entra em Odivelas. Não consegue matar Paula porque o capelão encarrega-se de o matar. De seguida, o capelão entrega o anel do assassino ao rei e diz-lhe que Paula não sofreu qualquer dano. João V diz a Maria Ana que a freira não morreu e que irá divorciar-se dela. Passa um cometa no céu.
A rainha percebe que foi o seu confessor quem levou José. Manda-o matar pela Inquisição. Paula vai ter com a rainha e diz que nunca mais verá o rei, se ela lhe devolver o filho. O rei tenta falar com a freira, mas ela recusa. Então, o rei manda que uma orquestra faça uma serenata a Paula; esta continua sem aparecer. Está determinada a cumprir com a aliança que fez com Maria Ana.
Furioso, o rei vai-se embora. Paula recupera o filho. Francisco pede ajuda à rainha para mandar matar o rei. Esta finge que sim, que irá ajudar, mas é mentira. Maria Ana convida João V para um passeio e consegue fazer uma artimanha. Quando Francisco dispara, acerta apenas num boneco e não no rei. O infante é preso.
João V e Maria Ana não irão divorciar-se. Paula não atende à chamada do rei para ambos verem o cometa a passar no céu. É o fim. Passam trinta anos. João V morre. Paula está sozinha no convento, onde passou os últimos anos recolhida. Ouve a conversa de suas monjas, a propósito da morte do rei. Elas dizem que ele quis ser enterrado com um lenço, com o nome de uma amante bordado. E que esse nome era Paula.
Ler mais >

Episódios anteriores

Episódio 13

  • Emitido em 2017-09-27
  • na RTP1
José é entregue a uma ama. Maria Ana diz ao seu confessor, António Stieff, que nunca devolverá a criança ao rei e que esta deverá morrer. Stieff fica aflito e ele mesmo vai buscar a criança. Deixa-o num convento. O assassino a mando de Maria Ana entra em Odivelas. Não consegue matar Paula porque o capelão encarrega-se de o matar. De seguida, o capelão entrega o anel do assassino ao rei e diz-lhe que Paula não sofreu qualquer dano. João V diz a Maria Ana que a freira não morreu e que irá divorciar-se dela. Passa um cometa no céu.
A rainha percebe que foi o seu confessor quem levou José. Manda-o matar pela Inquisição. Paula vai ter com a rainha e diz que nunca mais verá o rei, se ela lhe devolver o filho. O rei tenta falar com a freira, mas ela recusa. Então, o rei manda que uma orquestra faça uma serenata a Paula; esta continua sem aparecer. Está determinada a cumprir com a aliança que fez com Maria Ana.
Furioso, o rei vai-se embora. Paula recupera o filho. Francisco pede ajuda à rainha para mandar matar o rei. Esta finge que sim, que irá ajudar, mas é mentira. Maria Ana convida João V para um passeio e consegue fazer uma artimanha. Quando Francisco dispara, acerta apenas num boneco e não no rei. O infante é preso.
João V e Maria Ana não irão divorciar-se. Paula não atende à chamada do rei para ambos verem o cometa a passar no céu. É o fim. Passam trinta anos. João V morre. Paula está sozinha no convento, onde passou os últimos anos recolhida. Ouve a conversa de suas monjas, a propósito da morte do rei. Elas dizem que ele quis ser enterrado com um lenço, com o nome de uma amante bordado. E que esse nome era Paula.
Ler mais >

Episódio 12

  • Emitido em 2017-09-20
  • na RTP1
Paula está recuperada e, agora sim, o bebé está pronto para nascer.
O plano de Francisco parece decorrer na normalidade - Manuel a preparar-se para ser rei do Brasil. O infante faz sexo com uma prostituta, Graciela, no bordel, onde os nobres celebram. Esta atrasa-o para que os guardas reais possam chegar e prender o infante, acusado de conspirar contra João V.
Paula dá à luz José. João V e Francisco envolvem-se numa intensa luta de espadas. O rei vence. Decide não desterrar Francisco, confessando a Corte Real que o prefere manter perto, apesar de saber que o infante não desistirá. Manuel sai de Portugal com dinheiro que o rei lhe deu e com Graciela, traindo o irmão Francisco. Este jura vingança. Maria Ana sabe do nascimento do filho de soror Paula. Manda-o tirar de Odivelas. Com a ajuda das freiras, Paula tenta esconder José mas não consegue. A criança é levada. Paula fica desesperada. Maria Ana diz ao rei que foi ela quem mandou levar José. Francisco, em último recurso, pede ajuda aos nobres para matar o rei. Estes recusam ter participação activa.
Paula vai ter com João e tenta seduzi-lo para que ele se comprometa a devolver José. Paula perde a cabeça e acaba por insultar João V. Ele manda-a sair, ferido de morte. O rei e a rainha discutem, ele manda-a devolver o filho. Maria Ana, no limite, manda matar Paula. Rafael, escudeiro do rei, ouve.
Ler mais >

Episódio 11

  • Emitido em 2017-09-13
  • na RTP1
Manuel manda uma carta a Francisco, a pedir auxílio financeiro, uma vez que se encontra na ruína. Francisco vê logo ali uma forma de conseguir os seus intentos de destruir o rei: manda vir o irmão e sugere que ele destrone João V no Brasil, tornando-se ele próprio rei de terras de Vera Cruz.
João V diz a Maria Ana que a matará ele mesmo, se ela fizer mal a Paula ou ao filho que está prestes a nascer. Odivelas organiza uma festa religiosa. Paula participa, apesar do seu avançado estado de gravidez. João V também, assim como o confessor da rainha e, para grande surpresa da freira, a própria Maria Ana aparece para confrontar Paula. A freira acaba por sentir-se mal e perde sangue. Paula pensa que o filho vai morrer, sabe que ainda não está pronto para nascer. Soror Domingas vai chamar o rei. João V vai ter com Paula. Os médicos do rei auxiliam Paula. Manuel denuncia o plano de Francisco ao rei.
Ler mais >

Episódio 10

  • Emitido em 2017-09-06
  • na RTP1
João V regressa à corte. Obriga a rainha a ir a Odivelas pedir desculpa a Paula. As duas conversam pela primeira vez.
O inquisidor que bateu na freira é queimado na fogueira.
Chega ouro do Brasil. O povo protesta contra as desigualdades sociais. João V manda o Inquisidor-mor, D. Nuno da Cunha, a Roma, com grandes quantidades de ouro para o Papa. Os nobres reclamam o ouro. O clero reúne-se e debate se deverá também pedir ouro ao rei. Frei Eduardo Mesquita diz-se contra, mas os outros estão a favor.
Eduardo é morto a mando da Inquisição, Francisco sabe do sucedido, faz chantagem com o Inquisidor-Mor e o clero não chega a comparecer diante do rei. João V interpreta isto como sinal de humildade, de quem não pretende regalias materiais... e manda dar o ouro à igreja, para grande fúria da nobreza.
Paula, já grávida de muitos meses, pede ao rei que a visite. A conversa é tensa e dolorosa. João V depois dá uma enorme estalada a Maria Ana.
Vimioso propõe a Paula que fique com ele. Ela recusa, o seu amor é apenas um. Vimioso conta ao rei...
Ler mais >

Episódio 9

  • Emitido em 2017-08-30
  • na RTP1
Bartolomeu de Gusmão, um inventor, apresenta um balão como um instrumento para se andar pelo ar. O confessor da rainha, António Stieff, manifesta-se contra, dizendo que é anti-natura.
Sem Paula, João V não sai da cama, deprimido. Maria Ana exige tomar a regência da coroa, o rei acaba por ceder: afasta-se, dando a governação à rainha. Vai para as termas descansar e tratar-se.
Paula descobre-se grávida. De tudo fará para manter o filho, mesmo sem o apoio do rei. Escreve a João V, anunciando o filho, mas o mensageiro é morto por soldados no caminho.
A rainha manda a Inquisição apanhar Bartolomeu de Gusmão, acusando-o de ser demoníaco, e manda também que vá a Odivelas para castigar Paula. Corte Real avisa Bartolomeu e este foge.
Ajudada pela Abadessa, Paula também consegue escapar. Inquieta, pede ajuda a Vimioso, quer que ele assuma o seu filho. Este recusa. Os inquisidores voltam ao convento: Paula apanha pancada e confessa que está grávida do rei. A rainha sabe, fica furiosa. Corte Real pede a João V que reaja...
Ler mais >