É um dos nobres mais ricos e poderosos da nação e faz parte do grupo de amigos e aliados de Francisco nas conspirações para destituir João V.

Tem o título de Conde, mas quer ser Marquês e Vice-Rei da Índia. É esta a sua grande ambição e o facto de João V praticamente ignorar a Nobreza e não atribuir títulos nobiliárquicos durante o seu reinado deixa Álvaro disposto a fazer o que for preciso para conseguir os seus intentos. Ardiloso, determinado e muito ambicioso, não tem qualquer problema se tiver de matar alguém para atingir os seus fins. Por ora, mantém-se aliado a Francisco nas suas conspirações de golpe de estado contra o Rei, uma vez que o Infante lhe prometeu os tão ambicionados títulos nobiliárquicos assim que subir ao trono.

Álvaro vai apoiando Francisco e disponibiliza os meios financeiros e humanos necessários à concretização dos planos de destituição de João V, planos esses elaborados em conjunto com Supico de Morais e Gonçalo Montalvão. Os quatro formam um grupo inseparável não só nas conspirações, mas também nas constantes farras e excessos que culminam, frequentemente, em episódios de violência e agressões a desconhecidos. No entanto, Álvaro só ficará ao lado do Infante Francisco enquanto este lhe puder ser útil, pois quando João V descobre que está a ser traído pelo próprio irmão e quiser encarcerar e punir Francisco, Álvaro será o primeiro a querer silenciar o Infante para sempre.