A Sofia foi peremptória: quer mostrar que as artes em Portugal podem ser mais desenvolvidas. Manuel Moura dos Santos não resistiu e carregou no botão dourado.