Sangre Flamenco nasceu há cerca de um ano pelas mãos de João Carranca. Depois de formarem a banda e darem o primeiro concerto, Maria reagiu a um vídeo nas redes sociais e perguntou se não queriam uma bailarina. Eles gostaram dela a aceitaram e, hoje, são inseparáveis. Maria veio trazer talento e feminilidade ao grupo. Cantam em português e em espanhol, mas maioritariamente em português.