Rui Matos, 21 anos, Santiago do Cacém,

Talento: Tocar acordeão Rui é campeão nacional e internacional de acordeão. Começou a tocar aos 6 anos e teve aulas durante 11 anos. O avô tocava acordeão e passou o gosto pelo instrumento aos filhos e netos. Nunca ouviu o avô tocar.

Qual o motivo da sua participação?
Mostrar o meu talento, divulgar o acordeão e o seu potencial.

Como se descreve?
Reservado, calmo e dedicado, amigo dos meus amigos.

Quais os seus hobbies?
Estudar acordeão, ouvir música, ver séries e filmes, passear, estar com os amigos e a família.

Qual é a sua principal qualidade?
Ser humilde.

E o principal defeito?
Pouca capacidade de auto-crítica.

Que outros talentos tem?
O meu maior talento é mesmo tocar acordeão.

Durante a sua atuação na audição o que foi mais difícil?
Controlar o cansaço e os nervos. Foi muito tempo de espera até à minha audição, mas valeu a pena.

Qual o comentário do júri que mais gostou de ouvir?
Que parecia um Rockstar do Acordeão, pelo Pedro Tochas.

Qual dos jurados é mais difícil de impressionar?
O Manuel Moura dos Santos, porque é o mais sincero, crítico e realista.

Como viu a sua inclusão nos semi-finalistas?
Fiquei muito contente e penso que foi justo, uma vez que tinha obtido os 3 sins dos jurados. É uma oportunidade de voltar a impressionar o júri e o público.

Acha que tem tudo para ser o Grande Talento de Portugal?
Sim, porque tenho o talento, a dedicação e confiança.

O que espera ganhar com a sua participação no programa?
Mais reconhecimento do meu talento e do acordeão como instrumento, a nível nacional.