Domingo, 10 de Dezembro às 22:10, na RTP2.

Na 3ª temporada, a Agência passa pela maior crise da sua história. Trabalhando em direção à paz e à guerra, os nossos agentes secretos não têm mãos a medir. Série vencedora do prémio Syndicat Français de la Critique de Cinéma.

 

Agência Clandestina é uma série policial francesa criada por Éric Rochant e protagonizada por Mathieu Kassovitz (‘Amélie’ e ‘Munique’). Conta a história de um departamento dentro da DGSE (Direção Geral de Segurança Externa), que treina os agentes infiltrados dos serviços secretos franceses – homens e mulheres que trabalham durante anos sobre falsas identidades.

Malotru (Mathieu Kassovitz) é feito refém pelo auto-denominado Estado Islâmico. Transferido de campo em campo, torturado e enfraquecido, está perto do desespero. Em Paris, a DGSE questiona-se se deve ou não usar os seus recursos para salvar Malotru, que traiu a Agência, o país e os amigos quando se tornou agente duplo da CIA. Para planear a operação de libertação, a Agência precisa de estabelecer um contacto direto com o DAESH.

Nadia (Zineb Triki) aceita ajudar e entra em contacto com um antigo colega Sírio, que se tornou um perigoso traficante de arte. A agente Marina (Sara Giraudeau) está de volta a Paris. Aparentemente ilesa, Marina está traumatizada pela má experiência no Irão e afunda-se numa profunda paranóia. Apesar disso, é enviada para uma complexa missão no Azerbaijão, que envolve a Mossad.

A operação para resgatar Malotru começa mas a DGSE recebe uma estranha mensagem codificada. Um chefe do Estado Islâmico quer desertar. A tensão aumenta quando a CIA receia que a libertação de Malotru possa trazer a sua escandalosa traição para a luz pública.

 

 

Título Original: Le Bureau des Légendes

Realização: Samuel Collardey, Mathieu Demy, Antoine Chevrollier, Helier Cisterne, Eric Rochant

Produção: Top-The Oligarchs Productions, Federation Entertainment, Canal+

Autoria: Eric Rochant

Argumento: Eric Rochant, Camille De Castelnau, Raphael Chevenement, Cecile Ducrocq e Emmanuel Bourdieu

2016 – 52 minutos