Na sexta semana de competição, Rita arrancou com a vantagem de peça da semana: todos enfrentaram um molde de um vestido comprido, mas a concorrente já tinha o decalque feito.


Rita tinha a obrigação de brilhar na prova, mas não foi isso que aconteceu… Acabou por interpretar mal o molde e, tecnicamente, o vestido deixou algo a desejar. As criações de Leonor, Maria da Fé e Deolinda também ficaram muito aquém das expectativas. Raúl faz uma boa escolha de tela, mas o seu vestido também não ficou acabado.

Foi Sílvia que encheu as medidas dos jurados e ganhou a vantagem de passar à semana seguinte sem ter de passar pela prova da prova de transformação.


A transformação trouxe uma visita muito especial ao atelier: Nuno Gama. O criador adora homenagear a cultura portuguesa nas suas criações e foi isso mesmo que os costureiros tiveram de fazer: a partir de peças de artesanato português, tiveram de fazer uma peça vestível e vendável.

Pela primeira vez no Cosido à Mão, Susana e Paulo avaliaram as peças às cegas. Os jurados destacaram as peças de Rita e Jana, nesta prova de criatividade.

A competição está cada vez mais renhida e foi Leonor a concorrente escolhida para abandonar o atelier do Cosido à Mão.