O culto de Nossa Senhora do Cabo perde-se na bruma dos tempos e no séc. XV foi centro de peregrinações. Inclui a Ermida da Memória, a Igreja seiscentista, as hospedarias, o aqueduto e a Casa da Água, uma unidade de valores gráficos que faz esquecer a disparidade de estilos.