Nascida na África do Sul, Kátia Guerreiro mudou-se para São Miguel com os pais aos 11 meses de vida. Foi lá que aprendeu a andar, a falar, a tocar viola da terra e a saborear  filetes de abrótea, lapas grelhadas, queijo fresco com pimenta da terra, o famoso cozido das furnas e outras iguarias que hoje a transportam às mais profundas memórias de infância. Em Ponta Delgada fomos encontra-la em reequilíbrio espiritual no Santuário do Senhor Santo Cristo dos  Milagres, passeámos pela marginal onde, na adolescência, todas as noites se encontrava com os amigos e acabámos deliciados pelos petiscos da sua marisqueira preferida.