Emílio contínua inconsciente. Artur e o seu empregado que se faz passar por pai do dono do circo falam sobre a venda da gruta que pertence aos terrenos de Emílio. Depois de alguma conversa sem sentido, o empregado de Artur tenta convencer Emílio a assinar. No entanto, os acontecimentos narrados pelo capanga não correspondem à realidade.

Emílio desconfia quando o homem diz que costumavam ir à pesca quando era mais novo. Ainda zonzo e sem equilíbrio, Emílio consegue pegar numa espingarda e atira sobre o empregado de Artur e escapa do armazém.