Temas

Quem é a adolescente que não entrou em Medicina e que escreveu uma carta ao Presidente da República?

Página de Facebook investigou as listas de acesso ao ensino superior e não encontrou nenhuma Maria Barros que corresponda ao perfil.

A página de Facebook Os truques da imprensa portuguesa dedica-se a investigar e comentar alguns casos retratados pelos media portugueses. Hoje, um post enorme deixou os mais de 80.000 seguidores da página com “a pulga atrás da orelha”.

A página – cujos autores não se identificam – questiona o artigo da revista Visão que publicou a história de Maria Barros, uma estudante de 18 anos que escreveu uma carta aberta a Marcelo Rebelo de Sousa depois de ter falhado ingressar no curso de Medicina por apenas três décimas. No post partilhado, Os truques da imprensa portuguesa comenta o debate polémico sobre a necessidade de médicos no país e os interesses políticos e económicos que a criação de novos cursos de Medicina em universidades privadas satisfaria.

A página empenhou-se em rever as listas de acesso ao ensino superior fornecidas pela DGES dos candidatos a Medicina deste ano, tanto da 1.ª como da 2.ª fases. Depois de auditarem todas as Marias Barros que constam das listas, concluíram que não há nenhuma candidata que corresponda ao perfil descrito pela Visão. Por mais que a carta aberta comova os leitores, Maria Barros ou não é boa a Matemática e escreveu um texto com dados incorretos sobre a própria média – e não esquecer que o enviou ao Presidente da República – ou não existe.

Nos mais de 400 comentários os utilizadores encontram justificações em torno do nome da candidata e o quanto poderá querer ficar no anonimato. A página justifica-se e defende a pesquisa.
Nos comentários ao artigo da Visão, os portugueses lamentam a falta de médicos em Portugal e o destino espanhol de uma estudante que sonhou ser médica toda a vida e que não entrou por tão pouco.
As opiniões estão divididas nas redes sociais e na internet.

O post completo pode ser lido aqui:

No Reddit a discussão sobre o tema tornou-se tão interessante que foi partilhada a inscrição de Maria Barros – ou a candidata mais próxima àquela que terá escrito a carta – nas 1.ª e 2.ª fases de candidatura.

A página que levantou a dúvida não se considera um orgão de comunicação social e deixa claras as suas motivações:

“Em Portugal, existem dois tipos de pessoas: os que denunciam quem erra e os que denunciam quem denuncia.
Nós tentamos, a todo o custo, denunciar quem erra e quem o faz com intenção, à direita e à esquerda, com dinheiro ou sem dinheiro. E, como desde o primeiro dia está escrito na descrição da página, denunciar implica tomar posições. Isto é, não pretendemos ser um órgão de comunicação social nem atuamos ao abrigo de um estatuto editorial ou da lei da imprensa. Somos, sim, assumidamente críticos, mas livres e desvinculados de qualquer tendência.”

Buzz do momento