Temas

Casamento de menina norueguesa de 12 anos é afinal uma campanha de sensibilização

Chama-se Thea, tem 12 anos e vive na Noruega. A 11 de outubro subiu ao altar para casar com um homem 25 anos mais velho. Chocante?

Não raras vezes temos ouvido falar dos casamentos forçados de meninas pré-adolescentes com homens mais velhos. Vendidas ou simplesmente obrigadas por compromissos familiares onde não foram consultadas, casam sem querer e sem muitas vezes compreender o que isso implica. Thea, a personagem de uma campanha norueguesa, alertou para o problema das milhares de meninas com menos de 18 anos que passam pelo mesmo em todo o mundo.

Como se fosse uma noiva convencional, Thea resolveu partilhar num blogue pessoal os preparativos para a grande cerimónia, a realizar no dia 11 de outubro. A data não foi escolhida ao calhas: no mesmo dia comemora-se o Dia Internacional da Rapariga.
No blogue, Thea partilhou fotos da igreja, do menu escolhido para o copo d’água e do noivo Geir, de 37 anos. Queixou-se também, num curto desabafo, que ia faltar à festa de aniversário de uma amiga de escola por causa de suas obrigações como noiva.

Os leitores noruegueses acompanharam tudo isto em perfeito horror. Muitos contactaram a polícia, mais do que terem partilhado a história da rapariga de 12 anos que estava a ser obrigada a casar. “Como é que num país desenvolvido como a Noruega uma menina podia ser autorizada a casar?”
Foi precisamente essa a incredulidade que a campanha quis gerar.

Thea, na verdade, é uma personagem de ficção criada pela ONG norueguesa Plan Norway , uma campanha cujo objetivo é precisamente chamar a atenção para a chocante realidade que acontece pelo mundo. Segundo dados da Organização das Nações Unidas, 39 mil meninas com menos de 18 anos são forçadas a se casar todos os dias, o que constitui uma violação dos direitos humanos.

O secretário geral da ONG Olaf Thommessen assumiu que a mostrar Thea em vez  de meninas do Bangladesh ou da Tanzânia – que são usualmente as vítimas neste tipo de casos – queria precisamente fazer com que os noruegueses se identificassem com a situação da menina de tal forma que se revoltassem e procurassem tomar alguma atitude contra o caso. Resultou!

Em poucas horas o blogue de Thea tornou-se o mais lido no país. Em duas semanas, segundo informações da ONG, a página alcançou mais de 2 milhões de pessoas através da partilha nas redes sociais. Um número bastante significativo considerando que a Noruega tem cerca de 5 milhões de habitantes.

Thea e Geir casaram-se este sábado:

Buzz do momento