Destaques

Carta Branca: João Vieira

Foto:  Luis Espinheira

João Vieira é elemento fundador dos X-Wife, tem o projecto a solo White Haus e é também conhecido como Dj Kitten. Nos últimos 15 anos tem sido ativo na partilha das suas convicções musicais de várias formas, incluindo como apresentador de televisão (Planeta Música, RTP), e vai reforçar isso em Casa Branca, as duas horas semanais que terá ao longo de dois meses na Antena 3.

João Vieira confessa que a sua ligação à rádio vem da infância: “lembro-me perfeitamente de gravar cassetes da rádio. Aliás, a primeira coisa que eu comprei foi um leitor de cassetes com dois decks para poder editar as musicas e não ter os locutores a falar”. Foi de resto com cassetes que começou a pôr música em festas de garagem, ainda adolescente.

Esses tempos vão longe mas não a avidez pela música nem a vontade de partilhar as descobertas. João Vieira já fez rádio, na Antena 3, com Álvaro Costa no Portugal 3.0, mas confessa que o convite para o Carta Branca o deixou particularmente feliz: “antes de querer ser músico ou Dj, a minha ideia era ter um programa de rádio porque passava muito tempo em lojas de discos, falava sobre música com os meus amigos, ia a casa deles explorar as coleções…”. Nos anos 90, quando viveu Londres, percebeu, com o fenómeno John Peel, que a rádio pode ter de facto um efeito místico sobre os ouvintes. “Quando vivi em Londres falava-se muito dele e das Peel Sessions, influenciou-me muito”

Na Casa Branca de João Vieira moram outras músicas, às vezes de proveniência incerta, feitas algures entre finais dos anos 70 e o momento presente, punk e eletrónica pioneiros, pérolas de uma coleção particular que levou anos a construir e querem sair cá para fora, bem como editoras novas que só existem na net. De franceses que só editam em cassete, a pop eletrónica escandinava que ainda ninguém conhece, nesta Casa Branca, há espaço para todos os sons que João Vieira quiser. As portas estão abertas, é só entrar.