• Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    30

    Madrepaz

    Bonanza

    O título apareceu antes de tudo e influenciou um disco que fala de prosperidade.

    Entre a folk norte-americana, os sons da América Latina e a tradição portuguesa, é a Bonanza dos Madrepaz.

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    29

    The Parkinsons

    The Shape of Nothing to Come

    Sufoco, ansiedade e frustração. É o punk habitual.

    The Parkinsons. Inconformados, mas contagiantes.

     

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    28

    D'Alva

    Maus Êxitos

    Quatro anos depois de #batequebate, Ben Monteiro e Alex D’alva Teixeira lançam um disco que ultrapassou o medo de falhar.

    Um álbum eclético sem medo da pop, como eles tão bem sabem fazer.

     

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    27

    Flak

    Cidade Fantástica

    Flak, o fundador de bandas como os Rádio Macau ou dos Micro Audio Waves, regressou aos discos vinte anos depois da estreia a solo.

    Luís Nunes (Benjamim) produz e dá balanço a um disco entre a pop e o rock psicadélico.

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    26

    Sérgio Godinho

    Nação Valente

    Sérgio Godinho chamou amigos para escreverem canções e tornou-as dele.

    Um disco de histórias do país que quebra sete anos sem novas canções.

     

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    25

    Medeiros/Lucas

    Sol de Março

    Um disco que brinca entre a luz e a sombra, e em que a dupla açoreana fecha a trilogia que inclui Mar Aberto e Terra do Corpo.

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    24

    Best Youth

    Cherry Domino

    Ed Rocha Gonçalves e Catarina Salinas fazem nove canções em tom de desabafo emocional de personagens fictícios, e levam-nas para a pista de dança

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    23

    Paus

    Madeira

    Em 2017, a banda foi filmar à Madeira. apaixonaram-se pela ilha e por quem lá vive.

    Este é o resultado.

     

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    22

    Fugly

    Millennial Shit

    O nome diz tudo. É um disco de pessoas que nasceram entre os anos 80 e 90.

    O amor e as noites loucas de uma geração a aprender a ser adulta, em canções diretas ao assunto.

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    21

    Aline Frazão

    Dentro da Chuva

    Um disco íntimo e despido, gravado no Rio de Janeiro e influenciado pela cidade maravilhosa.

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    20

    Sean Riley

    California

    Um disco gravado em quartos de motel dos Estados Unidos, com a aridez da estrada cantada sem artifícios.

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    19

    Monday

    One

    Cat Falcão, metade das Golden Slumbers esteve a viver em Londres e aproveitou para escrever canções.

    Neste primeiro disco a solo, mantém a folk, mas com mais umas pitadas de eletrónica.

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    18

    Isaura

    Human

    Um disco escrito em duas partes: antes e depois da morte da avó e melhor amiga de Isaura.

    É por isso um disco pessoal, dividido entre a felicidade e a tristeza profunda.

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    17

    Diabo na Cruz

    Lebre

    Quatro anos depois do último disco, a banda de Jorge Cruz voltou. A lebre regressa aos saltos com a tradição e o rock às costas.

    Resumindo? Bombos, suor e lágrimas.

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    16

    Cave Story

    Punk Academics

    Lição número 1 da academia: o punk é a atitude, não o estilo de música.

    Aliás, não há um estilo completamente definido para os Cave Story, só vontade e fé nas guitarras.

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    15

    David Fonseca

    Radio Gemini

    Um sintetizador e um músico em viagem.

    O músico de Leiria tem muitas músicas na cabeça, e apresenta-as aqui, em formato programa de rádio.

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    14

    Dino D' Santiago

    Mundo Nobu

    Um mundo novo que nasce em Cabo Verde e cresce na Nova Lisboa.

    A lusofonia é língua-mãe e dança ao som de Funaná, Batuku, Morna, Kizomba ou Afro-House.

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    13

    Minus & MRDolly

    Man With a  Plan

    Hugo Oliveira é Minus e também Mr. Dolly.

    Uma só personagem, e um disco instrumental que recorda a era dourada do hip-hop norte-americano. Minus na costa leste, Mr. Dolly na costa Oeste.

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    12

    X-Wife

    X-Wife

    Sete anos depois, voltam aos discos. A energia ganha experiência.

    São as muitas vidas dos músicos a sublinhar a identidade da banda, num disco entre o pós-punk e o tropical, com o mundo pelo meio.

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    11

    Keep Razors Sharp

    Overcome

    A superação das dificuldades pessoais, do regresso ou de ter uma banda que tem muitas lá dentro.

    Rock intenso e escuro que chega vencedor ao fim do túnel.

     

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    10

    Márcia

    Vai e Vem

    No 10.º lugar encontramos Márcia com um disco de liberdade. Ao 3.º disco, Márcia eletrificou-se e ganhou força para ultrapassar a tempestade. Mas não se pense com isso que mudou de estilo: as palavras fortalecidas pela delicadeza mantêm-se.

    Vai e Vem é um disco construído com base no amor, e de mensagem à flor da pele. Onze canções que contam com colaborações de músicos como Samuel Úria (que já é da casa) António Zambujo e Salvador Sobral.

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    09

    Papillon

    Deepak Looper

    Agora algo completamente diferente. É vez do hip hop de Papillon.

    Aos 27 anos, o rapper dos Grognation já aprendeu algumas coisas com a vida. Deepak Looper é o nome do seu primeiro trabalho a solo, e reúne algumas dessas lições. E se a música foi muitas vezes ensinamento e apoio para Papillon, o músico também quer partilhar experiência com quem ouve o que faz.

    Deepak Looper. Um título com muitos significados: entre a luz, a profundidade, e a repetição de ensinamentos até à aprendizagem. Um trabalho produzido por Slow J, com colaboração de Holly, Lhast e Fumaxa e participação de Plutónio em “Iminente”.

    É uma estreia sem…impasses.

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    08

    Conjunto Corona

    Santa Rita Lyfestyle

    Seguimos no hip-hop, mas mudamos de subúrbio. De Mem Martins vamos para Santa Rita. É este o cenário para o novo disco do Conjunto Corona: Santa Rita Lifestyle. Uma localidade a que chamam de “enclave místico”, entre Águas Santas, Ermesinde, Valongo e Baguim do Monte.

    Uma igreja, uma rotunda, uma bomba de gasolina. É este o estilo de vida de Santa Rita que inspira Logos e dB.  Um disco-raspadinha, uma celebração de meia branca e chinelo de piscina no pé, que entra diretamente para o 8.º lugar.

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    07

    Linda Martini

    Linda Martini

    Agora, voltamos a mudar agulhas, e encontramos… Linda Martini.

    Em 2017, a banda reuniu-se em retiro na Catalunha para criar o 5.º álbum. Desta vez, a Linda Martini que originou o nome da banda aparece na capa, não é um retrato do passado, mas sim de uma banda sempre com a urgência de quem não olha para trás.

    Os Linda Martini cresceram, mas mantêm o sangue fresco. Dão corda à intensidade, e deixam ficar a crueza, em canções pensadas ao detalhe. Uma identidade procurada, e redescoberta.

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    06

    Conan Osisris

    Adoro Bolos

    No 6.º lugar da tabela encontramos uma afirmação sincera: Adoro Bolos.

    O mais recente disco de Conan Osiris saiu discreto na passagem do ano, mas deixou muito rápido de o ser. É hip-hop ou fado? É futuro ou é tradição? Pássaro, avião ou extra-terreste, Conan Osiris é tudo o que quiser.

    Devem haver poucos palcos pelos quais Conan Osiris não tenha passado este ano, e devem também haver poucos nos quais ele não fizesse sentido. É o quotidiano cantado como nunca o ouvimos, sem medo da mistura e do que possa soar ridículo. A mistura de influências clássica de quem viveu num subúrbio de Lisboa, levada ao extremo.

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    05

    The Legendary Tigerman

    Misfit

    No 5.º lugar, trazemos rock and roll do deserto, composto e gravado nos Estados Unidos.

    Misfit quer dizer inadaptado, e foi o nome que The Legendary Tigerman deu ao seu mais recente disco. Um nome que, diz o próprio: assenta-lhe bem. Misfit é o primeiro disco de Tigerman que não é gravado a solo, e conta com a participação de Paulo Segadães e João Cabrita.

    Este é um disco composto on the road, pelos Estados Unidos da América, quando Tigerman gravava o filme Fade Into Nothing, depois disso, o músico foi até ao mítico Rancho De La Luna, na California e gravou Misfit. Ao 6.º disco,  a one-man band de Tigerman ganha gente e estrada.

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    04

    Carlão

    Entretenimento

    Carlão, um dos maiores nomes do rap nacional, olha-se ao espelho e questiona-se, ao mesmo tempo que questiona uma sociedade que transforma tudo em entretenimento. Pelo meio, há canções de amor e de depressão…serão elas também entretenimento? Muitas perguntas, poucas respostas, grandes canções.

    Entretenimento? novo disco de Carlão em nome próprio, conta com a participação de Manel Cruz, António Zambujo, Nelson Correia, Edi Ventura, António Zambujo e do irmão e ex-companheiro de Da Weasel: Jay-Jay.

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    03

    Joana Espadinha

    O Material Tem Sempre razão

    No 3.º lugar do podium está Joana Espadinha. Neste novo disco, a cantora que começou no Jazz rende-se totalmente à pop, e leva-nos a dançar com ela.

    “Tu tens de ser sincero”, diz Joana Espadinha em forma de ordem no tema que dá título a este O material Tem Sempre Razão. É talvez esse um dos maiores motes deste novo trabalho, a busca pela sinceridade…ou pelo menos pela genuinidade.

    Luís Nunes, também conhecido por Benjamim produz um disco que fala da vida e suas histórias cantadas com um brilhozinho nos olhos.

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    02

    Dead Combo

    Odeon Hotel

    Numa altura em que Lisboa é cada vez mais misturada, os Dead Combo também o são.

    Odeon Hotel é o novo disco da dupla, e tem vista para o mundo, e tem o mundo dentro dele. Produzido por Alan Johannes (que já trabalhou com gente como Queens of The Stone Age, PJ Harvey ou Chris Cornell). Odeon Hotel conta com a participação de Mark Lenagan em “I Know, I Alone”, poema escrito em inglês por Fernando Pessoa.

    Neste disco, os dois mosqueteiros Tó Trips e Pedro Gonçalves contaram com mais companhia: Alexandre Frazão na Bateria, Bruno Silva na Viola D’Arco, Mick Trovoada na Percussão e João Cabrita nos Sopros. Músicos que fizeram check-in no Odeon Hotel, deram ainda mais corpo às canções.

  • Melhores do Ano 2018

    Álbuns Nacionais

    01

    Filipe Sambado

    Filipe Sambado & os Acompanhantes de Luxo

    Foram muitas horas de decisão e muita produção analisada, até aqui chegarmos.

    No 1.º lugar está um álbum de pop disruptiva. Um disco sobre estar bem na própria pele, e enfrentar uma sociedade que nem sempre está bem com esse conforto.

    Filipe Sambado cansou-se de estar sozinho e juntou-se aos acompanhantes de luxo. São eles que dão nome ao disco. Luxo é a palavra certa para um álbum rico nas palavras e nas melodias desafiantes. Dentro de Filipe Sambado & os Acompanhantes de Luxo há inquietação, inquietação. Deixem-no lá não ser gay, ele é só muito vaidosa.

    Filipe Sambado & os Acompanhantes de Luxo, o melhor disco do ano para a Antena 3.